Mina do Tamanduá preocupa moradores de condomínios

Mina do Tamanduá preocupa moradores de condomínios

A tragédia da Vale em Brumadinho e as informações da empresa sobre o descomissionamento de barragens em Minas fizeram aumentar o temor de algumas entidades em Nova Lima, em relação às barragens de rejeito da mineração.

Em São Sebastião das Águas Claras, a Associação de Moradores, juntamente com moradores de condomínios da região e com integrantes do Projeto Manuelzão na Bacia do Velhas, realizou uma reunião para discutir a situação da barragem da Mina do Tamanduá.

Segundo informou Gabriel Coutinho, biólogo e sitiante do distrito, a preocupação vem da própria história com o rompimento da barragem da antiga Mineração Rio Verde, em 2014, quanto cinco pessoas morreram, o acesso a São Sebastião das Águas Claras foi fechado e vários serviços interrompidos. “A Vale havia informado que as barragens estavam estáveis.

Mas, vimos que não podemos confiar nisso, nem nos relatórios emitidos por ela. O que queremos é ter acesso a outros relatórios que não sejam controlados pela Vale”, ressaltou. Ele conta que barragem está cheia, o acesso até ela é restrito, mas de longe é possível enxergar a retenção de água embaixo e algumas casas do Passárgada construídas logo acima. “Não sabemos se ali há água ou se são rejeitos. A Vale não veio à nossa reunião para nos informar.

O que sabemos é que se essa barragem se romper, ela fará um estrago no condomínio Pasárgada e em Macacos, e tudo será carreado para o Rio das Velhas”, alertou. Ainda segundo ele, o movimento irá procurar os órgãos públicos responsáveis para informações conclusivas. E que o deputado Fred Costa já fez um requerimento em Brasília, solicitando uma visita técnica às barragens de Nova Lima, Rio Acima e Congonhas.

Rio Acima

Outra preocupação de Gabriel Coutinho é com relação a barragem da antiga Mundo Mineração, que explorava ouro em Rio Acima. Segundo ele, trata-se de uma barragem abandonada, com rejeitos altamente tóxicos como cianeto e mercúrio. “A informação que temos é que foi feito o licenciamento para o descomissionamento dessa barragem, mas ele não aconteceu de fato. Embora o lugar seja uma área restrita, está completamente abandonado e qualquer um pode entrar. Sem monitoramento e com várias rachaduras, segundo moradores, é outra tragédia anunciada, pois se houver ruptura o rejeito irá todo para o Rio das Velhas, que é responsável pelo abastecimento de água de 60% da população de Belo Horizonte”, advertiu.

Reunião com prefeito

O presidente da Associação Geral dos Condomínios Horizontais, Aloísio Portilho, diretores da entidade e representantes dos condomínios Quintas e Pasárgada, de Macacos e do Vale do Sol se reuniram com o prefeito Vítor Penido para tratar da questão das barragens de mineração no município. Na ocasião, eles solicitaram ao executivo a fiscalização de toda a documentação das empresas envolvidas, e que fosse agendada uma reunião com governo do Estado para uma fiscalização maior por parte da Secretaria Estadual de Meio Ambiente.

Previous Cercados por mineradoras, moradores estão em alerta com barragens de rejeitos
Next Empresários de Macacos vão à Justiça contra a Vale