Abatimento da pista da BR-356 tumultua trânsito de toda a região

Abatimento da pista da BR-356 tumultua trânsito de toda a região

Interdição de faixas da rodovia, no sentido Rio, tem causando diariamente grandes congestionamentos. Sem alternativas de mobilidade, moradores do Belvedere, Santa Lúcia e dos condomínios Nova Lima são obrigados a ter muita paciência e se adequarem à realidade.

O abatimento do asfalto na pista da BR-356, no sentido Rio, que foi detectado no último dia 13 de março, entre os bairros Belvedere e Santa Lúcia, em frente ao Trevo do Belvedere, tem trazido grandes transtornos aos moradores dos bairros Belvedere, Santa Lúcia e de Nova Lima, em especial, os dos condomínios horizontais e do Vila da Serra. A previsão das autoridades é que estes longos congestionamentos ainda vão permanecer por um bom tempo, até que as obras de restauração do muro de contenção da rodovia sejam concluídas.

Tanto a BHTrans, quanto a direção do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER/MG) não arriscam uma data para solucionar o problema. A direção do DEER/MG informou, em nota à imprensa, que a prioridade no momento é “a estabilização da cortina atirantada que está sendo monitorada constantemente por equipamentos. E que as duas das quatro faixas da via, no sentido Rio de Janeiro, permanecem fechadas para garantir a segurança no trecho”.

Já a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) esclareceu que os trabalhos realizados nestes primeiros dias foram direcionados à retirada das famílias que moram abaixo do muro de contenção da rodovia e que corriam riscos. As casas interditadas também já foram demolidas.

Paciência e alternativas

Diante do problema causado pelas fortes chuvas, moradores desta região da Centro-Sul têm vivido dias de “tormento” no trânsito, exigindo diariamente muita paciência dos motoristas. Congestionamentos têm sido registrados nos horários de pico, especialmente pela manhã, no momento em que antecede o horário escolar. Os moradores do Belvedere e condomínios de Nova Lima, que convivem constantemente com a dificuldade no trânsito, tem sentido a situação piorar com a interdição das duas faixas da BR-356.

Como o horário de pico da manhã é mais complicado em direção à Savassi e é grande o reflexo para o trânsito no local. A fila de veículos geralmente passa da curva do Ponteio e, às vezes, chega ao Trevo do BH Shopping. Sem muitas alternativa para o deslocamento até o Centro de BH e diante dos congestionamentos, a melhor alternativa, sugerida pela BHTrans, é a Avenida Raja Gabaglia, que também enfrenta um fluxo pesado de veículos.

Outro percurso é passar pelo Belvedere, entrar pela Rua Patagônia, já no Sion, na Avenida Bandeirantes e chegar até a Avenida Afonso Pena, um trecho bem maior do que passando pelo trecho interditado. O problema é que os engarrafamentos neste percurso também são enormes.

Para quem vem da Savassi para o Belvedere, a opção é a Avenida Raja Gabaglia que também dá acesso à BR-356. O deslocamento, porém, fica mais distante e tem demorado por causa dos congestionamentos.

Moradores cobram mais atenção com a mobilidade urbana

Como os desvios não são tão simples e precisam ser feitos por dentro dos bairros Belvedere, Sion ou Santa Lúcia, de acordo com a BHTrans, os engarrafamentos impactam toda a região. Concluindo, não há alternativa, senão a paciência e a comprovação de que ainda há muito por fazer em termo de mobilidade urbana na região Centro-Sul de Belo Horizonte.

“Todos os dias, somos obrigados, seja pela manhã ou ao entardecer, a enfrentar um trânsito complicado para sair ou chegar em casa. Quando acontece um problema como este da BR-356, a situação fica ainda pior. Vira um tormento. Isto comprova que não temos alternativas de mobilidade e que os técnicos e as autoridades não fizeram o serviço deles corretamente. Não planejaram a mobilidade urbana, principalmente, na região Centro-Sul. Esta é a nossa realidade: enfrentar este trânsito infernal”, relata a professora e moradora do Belvedere, Marcia Cristina de Albuquerque.

O analista de sistemas Sérgio Amaral de Souza, que mora em um condomínio de Nova Lima, também cita a falta de mobilidade da região: “Temos visto ao longo dos últimos anos anunciarem obras que facilitariam o trânsito na região do Belvedere e Vila da Serra. Nada foi feito até o momento. A BHTrans e o governo do Estado não fizeram nada para melhorar esta região até agora. E quando acontece um problema como este, que também demonstra a falta de manutenção em um muro de contenção, torna-se um inferno na vida de todos”, ressalta.

O abatimento da pista da BR-356, também traz insegurança para o motorista. É o que deixa claro o gerente de banco Mário José de Almeida Santos, morador da região: “Eu, quando passo por aqui sinto receio em transitar em uma área com perigo de desabamento. Se há o risco de cair nas casas que estão embaixo da BR, há risco para quem transita pela rodovia. Não é lógico liberar lá e permanecer com a circulação normal por aqui”.

Fonte: Jornal Belvedere 

Previous Associação quer a reorganização do trânsito no Belvedere
Next Moradores de condomínios apoiam a regulamentação de cancelas em portarias